Friday, July 31, 2009

O maior desafio do imigrante: saudades!



Geralmente eu nao falo sobre imigracao aqui no meu blog. Primeiro, porque ja' imigrei ha' tantos anos e tanta coisa mudou... entao nem me arrisco a dar uma informacao que pode ser errada. Depois, porque o primeiro ano do imigrante e' tao penoso, que pra falar a verdade, nao me motiva nem um pouco. Mas apesar de nao gostar muito de lembrar daquela epoca, resolvi hoje falar sobre imigracao inspirada em dois post que li ontem a noite. Um foi da Mirela-Mikix, comentando sobre a reportagem da Globo e o outro foi o da Renata-Sai da Sua Terra, relatando as coisas que ela nao gosta no Canada. Acho mesmo, que a Renata me fez parar e pensar no meu primeiro ano aqui no Canada.

Concordo que muitos brasileiros sao traumatizados com a violencia no Brasil. Bom, tem aqueles que fecham os olhos para tudo e vivem no mundo da fantasia. Mas se voce ja' passou por uma experiencia traumatica como um assalto, sequestro relampago, ou de alguma maneira, viu sua vida fragilizada pela violencia causada pela pela pobreza e o descaso dos governantes do pais, com certeza se motivou a sair do Brasil.

Lembro que quando morava no Brasil vivia com medo de tudo. Dos bandidos, e ate' da policia. Quando conheci o Marcus, ele ja' tinha intencoes de morar fora. Primeiro porque tinha muitos familiares nos EUA, e segundo porque era economista e nunca acreditou que o pais conseguisse se erguer economicamente e politicamente a ponto de resolver o problema da pobreza e violencia. Estudando outros paises na Africa, ele achava que o Brasil ve vantagens em manter a populacao pobre.

Pra falar a verdade, lembro que a cada ano, analisando a politica, a economia, a maneira com que as pessoas vivem, o descaso com os animais, a violencia aumentando, pensava que nao poderia e nao seria justo ter filhos no Brasil. Entao tinha praticamente resolvido que nao teria filhos. Ao mesmo tempo, nem pensava em sair de perto da minha familia e minha carreira estava indo de vento em poupa com oportunidades excelentes de crescimento. Ok, vou confessar: eu nao queria imigrar para o Canada e nem para nenhum outro lugar.

Quando decidimos mudar (O Marcus decidiu por nos!) , comecei entao o meu problema de identidade. Andava pelas ruas onde fui criada, aonde nasci, da escola que estudei.... eu tinha historia! ... Pensava: - Como sera' no Canada? -Nao tenho historia la', nao conheco ninguem la'....
Esses pensamentos iam longe e sabia que apesar do challenge nao seria facil, afinal quem eu seria la no Canada?

Naquela epoca nao existiam Blogs e Internet estava somente comecando, entao viemos pra ca' sem conhecer ninguem. Bem, o Marcus conhecia uma moca que trabalhou com ele no Bank Boston, mas ela era super reservada. Passei 6 meses sem falar portugues. Bem so' com o Marcus e meus pais via telefone. As ligacoes nao podiam ser longas, pois eram muito caras.

Tal como ja' imaginava, ser imigrante nao e' facil!!! Ou voce vive no mundo da fantasia, achando que tudo e' maravilhoso ou voce cai na realidade e encara que tem que comecar de novo e de baixo. No Brasil, tinha os lugares que gostava, o supermercado da minha preferencia, os produtos que estava acostumada a usar... Aqui, nao sabia nada anymore! Foi um challenge. Como nao tinha ninguem para dar dicas, jogamos muita coisa fora e aprendemos tudo por nos mesmos....

Mas o maior desafio era a saudade que eu tinha da minha familia combinado com o vazio que sentia com relacao a minha historia.

Sempre parava pra pensar nesse vazio , tentar entender o que eu sentia e encontrar uma saida para me sentir bem novamente. Cheguei a conclusao que me sentia como se tivesse saido de um coma e nao conseguisse reconhecer ninguem. Nao sabia aonde estava.... Mas uma coisa era certa, eu tinha que lutar para viver. Foi um primeiro ano dificil!

Hoje? Fiz minha historia aqui! Meus amigos, minha casa, minhas experiencias profissionais. Os amigos que fiz em cada empresa que passei e que ainda tenho contato. Minhas filhas sao canadenses e meu coracao ja' e' canadense tambem! Saudades do Brasil? Sim! Tenho saudades do tempo de crianca, da escola, dos amigos.... Mas esse tempo nao existe mais.... ja' passou.... e guardo no meu coracao!

Saudades da familia? Sim! Sempre terei. Falo com os meus pais todos os dias e me comunico com primos, primas sempre que possivel. A gente aprende a conviver com a distancia. Mesmo la' no Brasil, cada um tem a sua vida, nao e'?

O Michel Cubric esta' lancando um livro sobre a experiencia dele de imigrante. Ele e' um exemplo vivo de que luta e passion e' a receita para o sucesso. Acho que o livro dele sera' lancado na semana que vem!

Abracos a todos,

Denise

6 comments:

Fernando Montenegro said...

De,

Adorei o post. Sem duvida alguma, uma excelente introspeccao sobre tua experiencia. Acho que muitos de nos passamos por coisas parecidas.

Um abracao!

Bjs,
Fernando

Carlos ( KK ) said...

Excelente post. Estamos indo e setembro e realizando um sonho. Mas temos que lembrar de viver a realidade também.

Minha esposa é muito apegada à família e vai ser muito difícil...

Mas vamos lá!

abcs,

Carlos

Tina said...

Oi Denise!

Eu vivo "o lado de cá" : minhas filhas foram morar fora... e a saudade é sem fim.

Bom que você está bem adaptada.

beijos e boa semana,

Elianne Goff said...

Eu nao senti este dilema, acho que nada estava me prendendo ao Brasil, claro minha mae querida e minha filha fofa, que estao chegando ... mas de resto nada mesmo , eu adoro minha vida aqui nos USA tudo pratico e meu marido e otimo , me adaptei rapidinho.
Concordo otimo post e bom refletir sobre as mudancas na nossa vida, e saber como outras pessoas tb se sentiram situacao parecida . Obrigada !!!
bjs,

Ana Celia said...

Adorei o post, Denise...:)
Qdo mudamos para ca so tinhamos os tios/tias do marido e eu me senti sozinha durante um bom tempo, ate conhecermos e fazermos amizades com outros casais que ateh hoje sao nossos queridos amigos!

Bjs,
Ana

Renata, Dory e Olívia said...

Oi De, só hoje li seu post. Adorei. Realmente é muito penoso esse começo e muitas vezes me pergunto se vou fazer história aqui também. Sei que é apenas questão de tempo, ainda é muito cedo pra dizer qualquer coisa, mas esse vazio muitas vezes incomoda. Como vc disse, eu tb tenho saudade do que já passou, mas hoje é tudo muito diferente e cada um tem sua vida. Qual o nome do livro? Quero ler!
Beijos